Dicas

Imagem de Alimentação do Lactente
Alimentação do Lactente (12/02/2015) Os benefícios da amamentação para o recém-nascido.

    

 

     Desde os primeiros momentos da vida a alimentação remete ao contato, ao carinho e cuidado da mãe para com seu bebê. Durante o 1° ano a alimentação é de extrema importância pois nesta fase ocorre o crescimento e o desenvolvimento acelerados que elevam as necessidades nutricionais.

     O alimento mais recomendado é o leite materno, pois contém uma composição perfeita que beneficia a criança sob os aspectos nutricionais, imunológicos, psicológicos e cognitivos. Ele é o único alimento que apresenta uma composição dinâmica de nutrientes pois seu conteúdo é modificado com o evoluir da lactação e de acordo com a idade gestacional do recém-nascido. A Sociedade Brasileira de Pediatria bem como a Organização Mundial de Saúde indicam seu consumo exclusivo até o 6°mês de vida do bebê, e mesmo com a introdução dos alimentos complementares a partir desse período sua oferta é recomendada até o 2° ano de vida da criança.

     O Colostro é definido como a primeira secreção láctea da mãe e é liberado até o 7°dia após o parto. Embora muitas vezes apresente coloração e textura diferenciadas, não há necessidade de oferecê-lo em maior quantidade ou por mais tempo. Ele é rico em energia, proteína, vitaminas e minerais, principalmente sódio e zinco, e apresenta menor teor de gordura, lactose e vitaminas hidrossolúveis, quando comparado ao leite maduro. Seu grande diferencial, no entanto é a alta concentração de agentes anti-inflamatórios, substâncias imunomoduladoras e de defesa que atuam  diretamente na imunidade do recém-nascido.

      O leite transitório é produzido a partir do 7°dia e se estende até o 14°dia após o parto. Nesse momento o leite apresenta diminuição do teor de proteínas e vitaminas lipossolúveis quando comparado com o colostro, no entanto, eles ainda permanecem elevados. A densidade energética aumenta bem como as concentrações de lactose, gordura e vitaminas lipossolúveis até se transformar em leite maduro, a partir do 15°dia.

     A literatura traz diversos benefícios do aleitamento materno a curto e longo prazo tanto para o bebê como para a mãe, mas não podemos deixar de mencionar o vínculo único e estreito que se forma entre mãe e filho com esse ato de amor.

 

Colaboração: Jeniffer Diniz de Souza - Nutricionista CRN10 3157

 

Fontes:

  • NOZAKI, V.T. et al. Atendimento nutricional de pacientes hospitalizados. Rio de Janeiro, RJ: Rubio, 2013.
  • WEFFORT, V.R.S.; LAMOUNIER,J.A. Nutrição em Pediatria: da neonatologia à adolescência. Barueri, SP: Manole,2009.
  • Sociedade Brasileira de Pediatria
  • Organização Mundial de Saúde